O descaso para com o Rio Batalha – nosso maior fornecedor de água

Causou indignação a notícia de que a Cetesb multou dono de fazenda por danos ambientais, provocados no leito do Rio Batalha.

Diante disso,  o Grupo de Atuação Especial de Defesa do Meio Ambiente (Gaema), conseguiu na Justiça de Botucatu (100 quilômetros de Bauru), a determinação para que a Fundação Florestal, ligada à Secretaria de Estado do Meio Ambiente, e a Fazenda Pública do Estado, elaborem em 180 dias o Plano de Manejo da Área de Proteção Ambiental (APA) da Bacia do Rio Batalha.

A APA do Rio Batalha abrange 11 municípios (Agudos, Piratininga, Bauru, Duartina, Gália, Avaí, Reginópolis, Presidente Alves, Pirajuí, Balbinos e Uru), numa área total de 252.635 hectares.

A medida foi tomada porque a APA constatou que não há Plano de Manejo – documento técnico que traz normas para uso de uma área e manejo dos recursos naturais. Questionado, o gestor da unidade disse que o início da criação do plano ocorreria em 2019.

O problema é maior do que se imagina, e podemos comprovar por uma vistoria aérea feita pelo ex-prefeito Rodrigo Agostinho, ao longo do leito do Rio Batalha, para identificar a atual situação, logo após as intensas chuvas que atingiram Bauru e região. Isso foi em 2.016.

Aproveitou e levou consigo uma fotógrafa profissional, da assessoria de imprensa da prefeitura, que nos traz um relatório fotográfico perfeito (abaixo), com imagens que vão desde as nascentes do Rio Batalha, em Agudos, passando por Bauru e chegando até a Estação de Captação e Tratamento de Água. Vários acessos a propriedades rurais também foram prejudicados, assim como processos erosivos formados.

Sobre o leito do Rio Batalha, as Secretarias do Meio Ambiente e de Agricultura deram início à elaboração de um anteprojeto de recuperação do Rio e seus afluentes, para conter o processo erosivo que se formou em vários trechos da bacia do Rio.

O município de Bauru, por contas dos estragos das chuvas, decretou estado de emergência nas áreas afetadas.

Desde a ocorrência das chuvas equipes da Prefeitura atuam nos pontos mais críticos, promovendo a proteção para que a situação não se agrave. Para a recuperação total, o município prepara um Plano de Emergências para ser apresentado na captação de recursos junto ao Ministério da Integração Nacional.

Com relação às estradas rurais, a Secretaria de Agricultura e Abastecimento de Bauru busca parceria para a recuperação.

Veja em que condições ficou o nosso Rio Batalha na oportunidade. Pelas fotos de Priscilla Medeiros, vemos como o principal rio que abastece mais de 50% da população bauruense com água está vulnerável e podemos quantificar o tamanho do problema.


(*) Com informações e fotos do site oficial do município, Por Renato Cardoso.

botao-voltar

Envie um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.