O descaso para com nossos bens históricos

Nossos bens históricos ligados às ferrovias chegam ao fim.

Vi um anúncio no Facebook (abaixo da foto a publicação original), que dá conta de que a antiga estação ferroviária de Brasília Paulista, que atendia a Companhia Paulista de Estrada de Ferro, Fepasa, está à venda.

Saibamos que a linha que partia de Bauru e passava por Piratininga, atendia Alba, Brasília, Cabrália Paulista, Duartina, Esmeralda, Fernão Dias, Gália e assim ia na sequência do alfabeto.

Coisa do tempo e do descaso dos setores públicos, que deviam valorizar a história das ferrovias e tombar as estações ao longo dos trechos das companhias que atendiam o nosso Estado.
Tomara o novo proprietário tenha consciência e mantenha o prédio na configuração original, reformando-o, para que a atual e próximas gerações saibam como era uma estação de parada dos trens.
Quantas emoções foram vividas neste local.

Quanto a Piratininga, à qual Brasília está subordinada, compete ao prefeito cuidar do tombamento do prédio e tomar as providências necessárias para sua manutenção.

O local é estratégico, com acesso apenas por estrada de terra e com fazendas ao redor. Luiz Luís Paulo Césari Domingues, jornalista, escritor e apaixonado pela história de tudo relacionado ao nosso passado, assim se manifestou a respeito: “… a “ampliação” de um imóvel como este seria um crime contra a história. Tomara que seja restaurado ou conservado com o aspecto atual, pelo menos na parte de fora, pois é uma das últimas estações desse período. Acredito que o prédio é de 1924, ou até antes, pois 1924 foi quando o tráfego de trens abriu até Cabrália, mas antes já tinha linha pra tirar o café da propriedade do Coronel Virgílio Rodrigues Alves (irmão do então presidente da república), Fazenda Veado, sub-sede Laranja Azeda.
Do lado da estação tem o galpão de carga, maior, que também é lindo.”

Vai a publicação referente a venda do imóvel (foto em destaque): “Surpresinha da Tarde: Vende-se a antiga estação da Estrada de Ferro de Brasília Paulista- 210 mil reais.
– Construída em 1926;
– Compõe-se de 2 salões (antiga sala de espera, e bilheteria) e uma sala menor (escritório do administrador);
– Seu pé direito tem mais de 3 metros de altura;
– Sua estrutura é extremamente forte com paredes de mais o menos 40 cm de espessura, feitas para resistir as vibrações dos trens.
– Esta situada em um terreno de 2.506,98 m²;
– Há necessidade de reforma no assoalho central e troca de alguns madeiramentos;
– Se houver interesse na ampliação do imóvel, nos possuímos algumas portas e janelas que foram retiradas de outro imóvel construído na mesma época;
– O imóvel esta localizado em área urbana, devidamente documentado, com escritura definitiva;
– Tem entrada para água (SABESP) e Luz;
Ligue para nós: 9.96947979 ou TH 32653482”

Obs.? Vai a publicação do anúncio da venda para que o proprietário que fizer a aquisição leve em consideração o que está comentado acima. E assim deve ocorrer com todas as estações das antigas estradas de ferro, que deixaram suas estações ao longo do antigo trecho.

(*) Renato Cardoso, o autor, é jornalista, publicitário e bacharel em direito.

Mais pelo Vivendo Bauru.