Marthynha Ferraz fala da emoção de participar do grupo Nós, mulheres.

Se ficou brega, desculpe, é o que sinto: Sou participante do “Nós, Mulheres”.
Vinte anos de uma tremenda curtição ao olhar para fora de nós.

Foto de Audren RuthSomos 13, 15, 18, 10… a cada ano um número diferente, mas uma mesma vontade de estar junto, de abrir o peito e a voz em favor de alguém que não está entre nós.
Lutamos pela SAPAB junto com outras guerreiras que ali atuam.
Cantamos em favor de 100 crianças em uma creche que não conhecemos, mas em quem acreditamos.

Foto do Facebook de Lizeth Lisete AgnelliNos divertimos muito em cada ensaio, em cada jantar que combinamos só para matar a saudade de Nós.
Divergimos, erramos, brigamos, perdoamos e vamos seguindo em frente, cantando para aliviar as dores nossas e de quem pediu ajuda.

Nesta última terça-feira cantamos no Teatro Municipal. Podem imaginar o que são 15 mulheres, na coxia, preparando-se para entrar no palco?
Uma empresta para a outra os óculos; outra empresta para mais uma o colar, a pulseira, o batom, o carinho…

É de arrepiar o clima que vivemos ali, ao vivo, com fotos para a posteridade, com beijos e abraços, risadas, um copinho de cerveja que circula como um cachimbo da paz, outro copo com um cowboy nacional, de boca em boca.

E cantamos; e louvamos a vida; louvamos a oportunidade de estar junto para nos alegrar e participar de outras vidas.

Salve Fernando Menezes que nos uniu!

Salve cada Mulher que se propõe a dar um pouco de sua arte!

Há vinte anos rolávamos escada abaixo, correndo. Hoje, vamos devagar, passo a passo… Mas o amor é o mesmo.

Veja fotos do acontecimento clicando aqui.

(*) Marthynha Ferraz, a autoria, é professora e uma das “meninas” que participam do projeto “Nós, Mulheres”.

Saiba mais pelo Vivendo Bauru.