Exposição “Bem-vinda Cuba”, no espaço Leônidas Simoneti. Saiba a respeito

Viagens, cinema, fotografia e muita arte podem ser conferidos na exposição

BEM-VINDA, CUBA! Uma viagem pelas fotografias clicadas por um juiz de direito apaixonado pela arte. A exposição acontece no Espaço Leônidas Simonetti, da FM 94.

Abrir as portas para o mundo e despertar curiosidade global, foi atitude da ilha de Cuba, após a ‘aprovação’ da grande potência da América.

Motivadas pela proibição de tantas décadas, suas particularidades como tradição e costumes, arquitetura, política, cultura, Medicina, carros e povo, tornaram-se motivos de imensa especulação turística.
Com o intuito de realizar novas descobertas fotográficas, o autor registrou momentos que revelam a decadência e ausência de liberdade para o desenvolvimento, a precariedade da população, acostumada a carências, em contraponto com a alegria vibrante das cores dos carros, da bandeira tremulando por toda a Havana, do acolhimento afetivo, da empatia, mas também expondo a entrada do vil representante do capitalismo, o dinheiro!

“Estando em Cuba…sejamos cubanos”, declara o juiz Enio Godoy. “Os primeiros passos por Havana são chocantes! Construções corroídas pelo tempo, parecendo um território saído de uma guerra, o centro antigo bem velho e decaído, comércio incipiente com restrições de consumo e limites de compra para cada cidadão, dentro da cota estabelecida pelo Governo, além de divisão da moeda, em circulação: a local para os cubanos e a oficial para os estrangeiros Também grande dificuldade de acesso ao mundo digital, com restrições ao uso e com alto custo. Poucos prédios consulares e hotéis são bem conservados, tornando-se, por isso mesmo, o grande chamariz do lugar, como se fosse uma volta aos anos 50, em pleno século 21!

Em contraste com o estado físico do lugar, sente-se a enorme simpatia e amabilidade do povo cubano, que se mostra extremamente agradável, após o visitante superar entraves alfandegários, realizados por burocratas, com ares de superioridade!

Mas o charme irresistível são os velhos carros, que circulam na avenida à beira-mar.  Velhos na aparência, mas de alma nova, com motorização a diesel e potentes corações russos a impulsioná-los pela longa via que banha as praias da ilha.

Fotografar Havana, antes que os americanos tomem conta do lugar e modifiquem hábitos e estado atual, foi uma satisfação pessoal enorme, algo a mais na vida! Apesar dos registros com equipamento digital, câmeras Nikon, Leica e celular, o clima remetia ao passado, com muito charme e glamour das câmeras analógicas, com filme e revelação.

Uma viagem de volta ao tempo”.

BEM-VINDA, CUBA!                                                                                   

“Os primeiros passos por Havana são chocantes! Construções corroídas pelo tempo, parecendo um território saído de uma guerra, o centro antigo bem velho e decaído, comércio incipiente com restrições de consumo e limites de compra para cada cidadão, dentro da cota estabelecida pelo Governo, além de divisão da moeda, em circulação: a local para os cubanos e a oficial para os estrangeiros Também grande dificuldade de acesso ao mundo digital, com restrições ao uso e com alto custo. Poucos prédios consulares e hotéis são bem conservados, tornando-se, por isso mesmo, o grande chamariz do lugar, como se fosse uma volta aos anos 50, em pleno século 21!”, comenta o juiz sobre suas impressões do local.

O clima presente nos registros remete ao passado, com muito charme e glamour das câmeras analógicas, com filme e revelação, muito embora as digitais terem sido mais utilizadas.

ENIO GODOY

Juiz de Direito de profissão, fotógrafo amador por opção, unindo o sonho à realidade.

“A fotografia foi um hobby durante muito tempo, mas o caminho está se desenhando para o profissionalismo”, declara entusiasmado.

Iniciou-se no mundo da fotografia em 1976, com uma Olympus Trip 35, quando descobriu a liberdade de registrar as coisas da vida.  “Faço as fotografias que quero, sem me sujeitar a imposições. Só registro o que meu coração manda”.

Os movimentos das cenas do dia a dia, muitas vezes realizados pelo próprio celular, inspiram seu olhar artístico. Congelar o momento do objeto se movimentando e deixando entrever que o tempo não para é o efeito a que se tem dedicado ultimamente, obtendo imagens dinâmicas, que enriquecem seu portfólio.

Enio Godoy utiliza câmeras digitais Reflex, Mirrorless e as potencialidades dos celulares, mas seu próximo passo é retornar às origens e fazer imagens com câmeras analógicas. Para isso, já está implementando seu laboratório para p&b.

Em 2008, começou a publicar seus trabalhos no Flickr, com mais de 1 milhão de visualizações de suas mais de 1700 fotos. Algumas destas, selecionadas pela Getty Images e outras, para revistas eletrônicas de fotografia e propaganda.

E pelo programa Artefato da TV Unesp (postado abaixo), você completa a viagem até Cuba, através das fotografias de Ênio Godoy, um juiz de direito apaixonado pela fotografia, podendo conhecer a diversidade de estilos e recursos usados e conhecer mais sobre a beleza desse país que tem um cenário nostálgico.

A exposição vai até o dia 19 de maio, das 9h às 18h no Espaço Leônidas Simonetti, que está localizado na Rua Marcos Augusto Genovêz Serra, 3-35.

Ver mais pelo Vivendo Bauru.

One Comment