Com quanto o prefeito irá administrar a cidade em 2.018?

Os números orçamentários constam da LDO 2.018 que foram apresentados em audiência pública no último dia 28.

Secretária Isabel Miziara durante explanação da EducaçãoPresentes no importante evento secretários e representantes das pastas e órgãos da administração indireta. Foram apresentadas as expectativas de receita, despesas com pessoal, custeio e ações prioritárias para o próximo exercício.

A audiência pública se deu para que órgãos da administração direta e indireta apresentassem suas propostas para a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO – 2018), cujo projeto foi encaminhado à Casa pelo Poder Executivo.
Os trabalhos foram conduzidos pela vereadora Chiara Ranieri (DEM), presidente do grupo parlamentar que reúne um integrante de cada partido com representação no Legislativo de Bauru.
Também participaram da audiência os vereadores MIltinho Sardin (PTB), Coronel Meira (PSB), Telma Gobbi (SD), Roger Barude (PPS), Ricardo Cabelo (PPS) e Natalino Davi da Silva (PV).

Chiara avalia que o objetivo da reunião foi cumprido. Todas as pastas e órgãos – com exceção da Secretaria Municipal de Negócios Jurídicos – apresentaram previsão de receita, gastos com pessoal, custeio e prioridades para o próximo ano.
A vereadora observa, contudo, que a Cohab não explanou qual será a destinação de R$ 6 milhões que estão previstos em repasses da administração direta à companhia, que deve ser objeto de nova audiência, proposta por Chiara e pelo presidente da Câmara, Sandro Bussola, para acontecer no dia 25 de maio.

Chiara também ponderou que a eventual aprovação do Novo Organograma que será proposto pelo Poder Executivo também deve impactar nos números apresentados nesta sexta-feira.

Em números

O secretário de Finanças, Everson Demarchi, exibiu que a Prefeitura de Bauru deve arrecadar, em 2018, R$ 857,4 milhões, 9,2% a mais do que receita executada em 2016.
O orçamento do DAE é estimado em R$ 154,7 milhões; da Emdurb, 60,1 milhões; e da Funprev, R$ 216,4 milhões.

A Fundação Regional de Saúde, por sua vez, estima receber R$ 15 milhões por meio de convênios junto à Prefeitura de Bauru.
A LDO antecede e estabelece parâmetros para a elaboração da Lei Orçamentária Anual (LDO). Ainda em 2017, os vereadores votarão o Plano Plurianual (2018-2021), peça legislativa de planejamento para os próximos quatro anos.

O Legislativo

Pela primeira vez, a Câmara Municipal também apresentou suas projeções de receitas (R$ 20,4 milhões) e despesas para 2018.
Vera Regina Agnelli, diretora financeira da Casa, reiterou a determinação da Presidência para que todos os esforços sejam voltados à redução de despesas.
Ela pontuou ainda que o custeio do Poder Legislativo já está muito aquém do montante autorizado pela legislação, de 6% sobre a Receita Corrente Líquida (RCL) do município, projetada em R$ 1,05 bilhão para 2018.

Presenças

Participaram da apresentação os secretários municipais de Everson Demarchi (Finanças), Aline Fogolin (Desenvolvimento, Turismo e Renda), Chico Maia (Agricultura), David Françoso (Administração), Letícia Kirchner (Planejamento), Isabel Miziara (Educação), José Carlos Fernandes (Bem-Estar Social), Mayra Fernandes (Meio Ambiente), Luiz Faustini (Esportes), Ricardo Olivatto (Obras), Majô Jandreice (Gabinete) e o presidente do Departamento de Água e Esgoto, Eric Fabris.
Rick Ferreira representou a Cultura; Jorge Souza, a Secretaria de Administrações Regionais (Sear); Diogo Nunes Pereira, a Funprev; Marcelo Alba, a Cohab. Diretora-geral, Claudia Sgavioli esteve presente em nome da Fundação Regional de Saúde.