Bauru de 1.950 a 1.960

Chegamos à década que se iniciou em 1.950, e a partir de agora passamos a destacar fatos que fazem parte de uma época mais recente, conforme tomarão conhecimento. Foi nesse período que muita coisa aconteceu em nossa Bauru, com reflexo em realidades que nos dias de hoje são percebidos. Foi o período anterior a uma década revolucionária em termos políticos (após Getúlio – na primeira década), quando procuraremos fazer um elo dos acontecimentos nacionais e mesmo internacionais a Bauru.

Na década, foram prefeitos de nossa cidade, os seguintes: Octávio Pinheiro Brizola, de janeiro de 1948 a dezembro 1951, Nuno de Assis, de janeiro 1952 a dezembro 1955, Nicola Avalone Junior, de janeiro 1956 a março 1959 e Luiz Zuiani, de março  de 1959 a dezembro 1959. Todos nomes de rua ou avenida, assim como de escola estadual.

O ano de 1.950 foi importante para o setor industrial bauruense, começando com emoções vividas no dia 26 de janeiro de 1950, quando foram inauguradas as instalações em Bauru da Cia. Antárctica Paulista – uma indústria que atuou em nossa cidade por anos, gerando emprego, promovendo renda e impostos. Sua sede e parque industrial ficavam nas proximidades do hoje Boulevard Shopping.

Foi o período em que o Automóvel Clube viveu grandes momentos, com inesquecíveis eventos artísticos, sociais e culturais, a exemplo dos memoráveis bailes animados por orquestras do porte de Sylvio Mazzucca, George Henri, Walter Guilherme e seus músicos. O clube então abrigava o Clube do Xadrez, depois transferido para o Bauru Tênis Clube.


btcantigo-sedeO Bauru Tênis Clube mereceu um avanço nos setores social e esportivo, com foco no tênis, que dá nome ao clube. Foi o início da ocupação que anos depois passou a sediar os memoráveis eventos de nossa sociedade, enquanto o Automóvel Clube, até então o clube mais elitizado da cidade, iniciava um período de baixa quanto a movimentação, merecendo revitalização apenas na década de 1.970 e em funcionamento não mais que por dois anos.

No dia 14 de abril de 1951 a vida artística bauruense ganhava um grande impulso com a entrega do majestoso auditório da Bauru Rádio Clube, mais uma realização pioneira de João Simonetti, que havia adquirido o prédio do Teatro São Paulo para esse fim. No local, grandes nomes do rádio brasileiro aqui se apresentaram, a exemplo de Emilinha Borba, Doris Monteiro, Dalva de Oliveira, Nora Ney, Carlos Galhardo, Orlando Silva, Marlene e outros.

Foi no dia 27 de maio de 1950 que o governo autorizou o funcionamento de uma estação de radiofusão em onda tropical, fazendo com que a nossa cidade passasse a ser ouvida em várias partes do mundo, pelo avanço tecnológico da Bauru Rádio Clube, PRG8. Foi nessa rádio que Miguel Ruiz e sua orquestra fizeram a sua primeira apresentação ao público bauruense.

No dia 22 de junho de 1950, em pleno auditório, promoveu-se um concurso visando a denominação que recaiu em Orquestra Marajoara, que por anos embalou os bailes dourados daqueles tempos saudosos. Muitos foram os bailes tendo a famosa orquestra nos palcos, quer no Automóvel Clube de Bauru, quer no Bauru Tênis Clube. Outros de todo Estado e mesmo vizinhos contratavam a orquestra bauruense por sua qualidade de apresentação, levando ela então o nome de nossa cidade por através da música aos quatro cantos.

Em junho de 1950 nasceu a ideia de formação de uma clube, com um número fixo de associados, com várias finalidades, denominado Clube dos 29, exatamente pelo total de participantes, que se reunia no  Restaurante Esso, de propriedade do empresário Fioravante Tadesco. Coincidindo, eram 29 os presentes na reunião em homenagem a Paulo Morato de Carvalho. No dia 29 de julho de 1950 a proposta ganhou corpo com sua fundação, que teve como primeiro presidente o mesmo Paulo Morato de Carvalho,  e vice, Luiz Mortari.

União Bauruense de Belas Artes, que nasceu em 1947, passou a promover anualmente o Salão Oficial de Belas Artes, por anos fazendo parte dos festejos de aniversário da cidade, O evento passou a ser oficial a partir da lei nº 162, de autoria do então presidente do Legislativo, dr. Victor Curvello Jr, que foi divulgada no dia 16 de julho de 1950.

Ernesto Monte, figura marcante na história da cidade, por sua ativa participação na vida empresarial, tendo sido prefeito e deputado estadual, além de vasta e excelente folha de serviços prestados à comunidade, veio a falecer no dia 4 de novembro de 1950. Cede seu nome a uma importante escola de Bauru.

No dia 19 de dezembro de 1950 faleceu Guilherme Barberi, responsável pela formação da banda dos ferroviários da E.F. Noroeste do Brasil, denominada de Sociedade de Concertos Sinfônicos de Bauru. A orquestra sinfônica ficou em atividade de 1.931 a 1.947.

A Santa Casa de Misericórdia

hospital_de_base1 (2)No campo da saúde nossa Bauru viveu momento importante com a inauguração da Santa Casa de Misericórdia (foto acima – procura-se saber a autoria), depois Hospital Regional e hoje Hospital de Base. Também teve a denominação de Hospital Fernando Costa, em homenagem ao ex-interventor do Estado de São Paulo que sucedeu Adhemar de Barros.

A história desse hospital é recheada de acontecimentos registrados em forma de discórdias entre profissionais da área da saúde e diretorias, com ápice quando do fim das instalações com denominação de Santa Casa de Misericórdia, integrante da irmandade que ainda hoje mantém unidades em várias partes do Brasil, com origem em Portugal. Esse hospital é notícia em nível nacional por questões pouco republicanas quanto a sua gestão em tempos atuais, como que seguindo a saga iniciada a partir de sua inauguração.

Em 23 de janeiro de 1951 foi fundada em nossa cidade a Federação das Ligas Católicas, que teve a participação do padre Pedro Dingenouts como diretor e o bauruense Clemente Moreira Calazans figurando como presidente.

Sanatório Noroeste
sanatoriobauruEm 29 de janeiro de 1951 era inaugurado em nossa cidade o Sanatório Noroeste, com 300 leitos – uma casa hospitalar construída pela Cia. Nacional de Combate à Tuberculose. Hoje é o Hospital Manoel de Abreu, com rica história em prol da causa.

Nosso Tiro de Guerra – nº 221 (antes era 88) – que esteve ameaçado de ser fechado nos anos 50, no dia 20 de abril de 1951 abria inscrições aos jovens bauruenses em idade para prestar o serviço militar.

No dia 30 de abril de 1951 nossa Câmara Municipal, sob a presidência de Victor Curvello Júnior, em sessão solene entronizou a imagem de Cristo em suas dependências, realização essa de ampla repercussão no campo religioso.

No setor esportivo a nossa cidade voltou a ser notícia nacional com a contratação do consagrado Domingos da Guia como técnico do time do Bauru A.C. Foi ele o maior zagueiro central de todos os tempos do futebol brasileiro. Sua contratação se deu em 11 de junho de 1951.

A Faculdade de Odontologia

Foto de Internet, sem conhecimento quanto ao seu autor (procura-se saber)FOB0012 (2)No Diário Oficial de 15 de junho de 1951 Bauru dava mais um passo para ter a sua Faculdade de Odontologia, criada pela Lei nº 161/48. Por essa lei foi feita a doação para o Governo do Estado do terreno onde seria construída a importante escola de ensino superior, um dos orgulhos no campo educacional, sendo hoje uma das mais reconhecidas em nível mundial. Merecerá capítulo a parte, mais à frente.

Um avião de grande porte saiu da rota e aterrissou em nosso aeroporto, no dia 5 de julho de 1951, em razão do mau tempo. A imprensa bauruense compareceu em peso para entrevistar o famoso pianista Arthur Rubistein,  um dos passageiros, que permaneceu em Bauru por algumas horas.

Pouso 1.409

Essa história poucos conhecem e vale a pena porque americanos participaram de uma noite de carnaval no Bauru Tênis Clube, depois do avião que os levava ao Rio de Janeiro para o carnaval, teve uma pane e  pousou em nosso aeroporto (Aeroclube), em decorrência.

O então prefeito, Nicola Avalone Júnior, que à época representava a Panair em nossa cidade, fez do limão uma limonada, e levou a todos ao BTC, promovendo uma noite super animada e talvez inesquecível aos nossos visitantes.

voo1409 (1)Nicolinha mais tarde foi fundador do jornal Diário de Bauru, prefeito da cidade e deputado estadual. Os passageiros estrangeiros tiveram que pernoitar em Bauru e Nicolinha levou-os para um baile carnavalesco no BTC [Bauru Tênis Clube], como mostra a foto”, subtraída da internet, sem que saiba o nome do autor (busca-se saber para inclusão aqui. Os norte-americanos vibraram muito com o baile no B.T.C. e chegaram, no dia seguinte, prontos para conhecer e curtir o carnaval carioca.

Celeste Spindola foi coroada, em  25 de agosto de 1951, como a Miss Bauru daquele ano. O acontecimento se deu em meio a grande festa.

Em 15 de agosto do mesmo ano a nossa cidade passava novamente a sediar o vice consulado da Itália, com o dr. Tolentino Miraglia ocupando o cargo de vice-consul no Brasil.

A cidade se movimentava naquele dia 24 de setembro de 1951 no campo educacional, com a visita dos universitários de Coimbra (Portugal), condignamente recepcionados pela população e autoridades bauruenses.

Na história da vida esportiva bauruense existe um acontecimento que emocionou todo o público e fez com que o nome de Bauru fosse citado com destaque no noticiário do futebol internacional, visto a esmagadora vitória que o Bauru A.C. (ex-Lusitana F.C.) alcançou contra o Atlanta de Buenos Aires, time argentino que durante a semana havia vencido o S. Paulo F.C., no Pacaembu, por 1 a zero. O feito criou maior dimensão em razão do resultado (8 gols a 2). O jogo foi realizado no campo do B.A.C., em 23 de dezembro de 1951.

No dia 29 de junho de 1952 a vida artística bauruense viveu momentos de intensa vibração, com a primeira apresentação do Clube Juvenil, numa iniciativa de Horácio Alves Cunha, pela Bauru Rádio Clube.

Em 12 de julho de 1952 era autorizado o funcionamento da Faculdade de Direito, por iniciativa do mineiro educador Antônio Eufrásio de Toledo. Primeiro se deu a Escola Técnica, com os cursos de Pontes, Estradas e Química Industrial (em 1951).

Dirigentes do Automóvel Clube de Bauru se reuniram, em 11 de maio de 1953, para a criação do Departamento de Hipismo, iniciativa que contou com a participação de grande número de jovens da época, sendo o passo inicial para outra realização quanto a clubes. Face o êxito dessa realização, nascia, no dia 30 de novembro de 1953, a Sociedade Hípica de Bauru, isso seis meses depois da criação do departamento de hipismo do A. C.
O primeiro presidente da Hípica foi o pecuarista Plínio Ferraz, que fez doação de uma área de terra de 205 x 205 m para que a entidade social-esportiva e recreativa construísse a sua sede. Bom lembrar que nas imediações já havia doado área para o hoje Recinto Mello de Moraes.

Instituto das Apóstolas do Sagrado Coração de Jesus
Foto36-Rua-Antonio-Alves-1940O então Instituto das Apóstolas do Sagrado Coração de Jesus recebeu, em 1953, pelo decreto 34-291, autorização para o funcionamento da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras do Sagrado Coração de Jesus, cujos cursos iniciais foram os seguintes: Geografia, História, Letras e Pedagogia.

Pelé e Bauru

1186A primeira apresentação de Pelé ao público paulistano aconteceu no dia 21 de março de 1954, quando, jogando pelo juvenil do B.A.C., na rua Javari, na preliminar da partida entre o América de Rio Preto e Associação Desportiva de Araraquara, o “rei do futebol” contribuiu e muito em prol da vitória baqueana contra o juvenil do Flamengo, por 10 a 1, quando Edson Arantes do Nascimento marcou quatro gols e fez com que o público presente vibrasse em torno da sua atuação. Foi aí que começou a chamar a atenção de cartolas de grandes times, resultando em sua ida para o Santos Futebol Clube (merecerá um capítulo mais à frente). Pelé merecerá um capítulo à parte, mais à frente. Em 1.956 atuou pela primeira vez vestindo a camisa da seleção brasileira. Pelé merecerá um capítulo especial, mais à frente.

No dia 23 de maio de 1954 o Noroeste chegou ao título máximo e pela primeira vez ingressou no futebol maior de São Paulo. Nesse dia o time bauruense derrotou em Bauru o  Marília A.C. por dois a zero, com gols de Zeola e, por antecipação, chegou ao título de campeão.

Rodovia Bauru/Piratininga

O professor José Ranieri, quando substituindo o prefeito Nuno de Assis na chefia do Executivo bauruense, em razão da viagem do titular aos Estados Unidos, em apenas cinco dias construiu e inaugurou a rodovia ligando Bauru a Piratininga, fazendo com que ocorresse o estreitamento de relação entre as duas cidades.

Contou com a colaboração do prefeito da vizinha cidade – Dr. Antônio Ferreira do Espírito Santo. Foi no dia 2 de junho de 1954 que ambas cidades ganhavam esse influente benefício, que responde pela pujança da vizinha cidade, que hoje merece acesso por outras três rodovias, sendo uma sem asfalto.

Graças a colaboração do General Marinho Lutz, então diretor da NOB, Bauru concluiu as exigências da Federação Paulista de Futebol, ao entregar um estádio com capacidade para 20 mil pessoas sentadas. A diretoria foi além e proporcionou capacidade para 20.405. A vistoria por parte da F. P. F. aconteceu no dia 8 de junho de 1954, após o representante de Bauru ter ingressado no futebol maior de São Paulo.

Capela do Espírito Santo

belafotoautomovelclubecomvistaapracaSe em 1.913 o mundo católico bauruense viveu momentos de muita emoção, pela demolição da Capela do Espírito Santo, a edificação de outro templo religioso se deu no dia 2 de maio de 1955, em substituição ao antes ocupando o local (foto acima de Carlos Giaxa). Depois surgiu a atual igreja, que passou a ser a Catedral do Divino Espírito Santo, visto a criação do bispado de Bauru.

A década foi marcada pelo falecimento de bauruenses considerados pioneiros nos mais diversos setores de atividade humana. No dia 8 de agosto de 1955 morreu em Bauru o sr. Armando Azevedo, durante muitos anos o titular do 2º Cartório de Notas e Registros. Em suas atividades, fora do cartório, foi presidente do Rotary Clube e do Bauru Tênis Clube. No campo da saúde, destaque ao passamento do médico Odilon Pinto do Amaral, no dia 4 de dezembro de 1955. Ele foi diretor clínico da Santa Casa de Misericórdia e depois médico da Beneficência Portuguesa de Bauru.

No dia 1º de janeiro de 1956 Nicola Avallone Júnior venceu Octávio Pinheiro Brisolla na luta pela chefia do Executivo bauruense (a diferença foi de apenas 67 votos). O pleito se deu por uma difícil batalha eleitoral, fazendo com que Nicolinha tomasse posse do importante cargo, com transmissão feita pelo vice prefeito, José Ranieri, nas dependências da Prefeitura, que na época funcionava na rua 1º de Agosto, edifício Concórdia.

O ano de 1956 também foi importante para Bauru, que passou a contar com mais um clube de Serviço – o Lions Clube Centro –  fundado no dia 29 de abril daquele ano , depois de uma histórica reunião que aconteceu no Automóvel Clube de Bauru. O Lions Centro tem como padrinho o sr. Elias Salim Haddad (primeiro presidente).

Nossa cidade já teve o seu Jóquei Clube, que funcionou a partir do dia 24 de junho de 1954, próximo ao então Country Clube. Sua atividade se deu por pouco tempo, com sua construção sob a responsabilidade de Antônio Bortone, na gestão de Nuno de Assis como prefeito.

Nessa década, grande trabalho foi desenvolvido pela prefeitura em torno da construção de parques infantis. Um deles, o Recanto Infantil Joaquim Madureira, foi inaugurado no Parque Vista Alegre, no dia 1º de agosto de 1956, em homenagem ao pioneiro, que teve o seu nome perpetuado nessa realização educacional.

O falecimento prematuro do padre Plínio Pereira Negrão, aos 37 anos de idade, aconteceu no dia 14 de fevereiro de 1957. Ele foi ele o primeiro padre bauruense. Seu passamento foi destaque em uma edição de 1957 no tradicional semanário católico de Bauru A Fé, que tinha como diretor Gilberto Borro.

Incêndio no campo do E. C. Noroestedownload-50
Em 23 de novembro de 1958 Bauru viveu um drama doloroso, ou seja, o incêndio que destruiu parcialmente as instalações do antigo estádio do Esporte Clube Noroeste (foto acima), nos Altos da Cidade . Foi em um jogo contra o S. Paulo F.C., pelo campeonato paulista. As labaredas destruíram parte das gerais do campo de madeira, com campo repleto e, por felicidade, sem registro de ferimentos mais sérios.

Em 1959 aconteceu em Bauru um inesquecível encontro religioso: a III Concentração Católica Círculo Estrela da Manhã, com a participação dos descendentes nipônicos. Esse movimento foi organizado pelo padre Pedro Paulo Koop e contou com o prestígio de D. Henrique Golland Trindade, na época arcebispo Metropolitano de Botucatu. Teve a participação de 1.800 nisseis. O evento ocorreu nos dias 11 a 12 de julho daquele ano.

O Sindicato dos Motoristas de Bauru inaugurou, no dia 25 de julho de 1959 a sua sede própria, à rua Saint Martin, defronte às instalações atuais do SENAI. Na época era presidente da entidade o sr. Eugênio Borro, lendária figura da classe dos motoristas.

Em 7 de agosto de 1959 foi realizado em Bauru um concurso de vitrinas, que contou com participação das mais importantes empresas que tinham as suas representações na Batista de Carvalho e ruas próximas e transversais. Após o julgamento a firma vencedora foi a Capristor, seguida da Regional Clipper e, em terceiro lugar a Casa Lusitana. A vencedora ganhou CR$ 3.000,00.

A Associação Comercial de Bauru realizou, no dia 13 de agosto de 1959, uma importante reunião. quando os dirigentes e sócios da entidade criaram o Serviço de Proteção ao Crédito.

No dia 8 do mesmo mês e ano, Walter Mortari alcançava o primeiro lugar no 4º Salão de Belas Artes, entre os 10 melhores trabalhos selecionados. Essa exposição foi realizada no edifício Telli, na praça Ruy Barbosa.

salmenbelafotoNo dia 18 de agosto de 1959 a firma José Salmen & Filhos (foto acima) comemorou os seus 40 anos, promovendo um jantar festivo no Bauru Tênis Clube, reunindo o corpo de funcionários e autoridades para lembrar o evento. Foi uma das festas mais emocionantes que aconteceram em Bauru, conforme registros.

Iº Jogos Universitários Bauruenses

Promovidos pela A. A. Acadêmia 9 de Julho, C.A. Véritas e o C.A. Eufrásio de Toledo, os jogos tiveram a sua abertura no dia 29 de agosto de 1959, com o desfile que aconteceu no Ginásio de Esportes da Noroeste, com coroação da rainha dos Jogos no Automóvel Clube.

No dia 6 de outubro de 1959 a imprensa publicava o resultado de uma das eleições mais disputadas em toda história de Bauru, no pleito municipal: Irineu Bastos obteve 8.744 votos; Octávio Pinheiro Brisolla, 7.269, Antônio Bortone, 6.959, e Benedito Moreira Pinto, 3.870. Para vice prefeito: Alpheu Sampaio alcançou 14.695; José Ranieri, 5.394 e Maurício Leite de Toledo, 3.806. Veja que os pleitos se davam separadamente.

Um coquetel foi oferecido pela TV Bauru e Rebratel no dia 20 de outubro de 1959, comemorando a chegada de moderníssimos aparelhos que vieram oferecer à televisão de Bauru (a primeira do interior da América do Sul), maiores recursos para satisfação do povo da cidade e da região. Vários bauruenses se envolveram na luta pela conquista, indo oferecer um equipamento ao fim, por toda cidade.

Elvio Gobi

11666048_988113097886559_6792110607800874846_nA vida artística local comemorou, no dia 5 de novembro de 1959, a chegada a Bauru de Elvio Gobbi (na foto acima com outros músicos – segundo da direita para a esquerda), que venceu o concurso A Voz de Ouro do Brasil, que teve a participação de representantes de 19 Estados, Elvio ganhou uma viagem aos Estados Unidos e contratos em rádio e televisão de São Paulo. Identificados, da esquerda para a direita, Dr. José Pinheiro (advogado e músico, Maurício Eiras (engenheiro) e outros.

No dia 15 de novembro de 1959 foi iniciada em nossa cidade a I Feira do Livro do Interior, que teve como local a firma José Salmen & Filhos. Vieram à cidade, na ocasião, os renomados escritores Tito Batini, Hernani Donato, Antônio D´Elia e Silva Ramos. Foi uma promoção da Câmara Brasileira do Livro e da União Brasileira dos Escritores.

O Jardim Estoril, bairro dos mais sofisticados de Bauru, começou a nascer no dia 25 de novembro de 1959, quando o Banco Hipotecário Lar Brasileiro lançou à venda as casas residenciais construídas pela firma Martha & Pinho, liderada pelo engenheiro José da Silva Martha Filho e o arquiteto Fernando de Pinho. Foi aí que nasceu o Jardim Estoril, hoje com cinco bairros expandidos, sendo um condomínio fechado. O bairro e conquista da cidade merecerão capítulo à parte, mais à frente.

Em 6 de dezembro de 1959, o governador Carvalho Pinto assegurava para Bauru o empréstimo de 38 milhões de cruzeiros, para a continuação da avenida Marginal (hoje Nações Unidas) e mais 18 milhões para o prosseguimento das obras do Paço Municipal (praça das Cerejeiras).

No dia 9 de dezembro de 1959, a jovem Ilza Araújo Antunes conquistava outra vitória para a cidade, ao alcançar o primeiro prêmio no concurso de piano, instituído pela Rádio Gazeta, em São Paulo. Executou ela o concerto de Liszt. O prêmio foi de 30 mil cruzeiros e mais um contrato de seis meses para se apresentar nas audições de gala daquela emissora.

No setor literário, através de um concurso nacional promovido pela revista O Cruzeiro, os universitários bauruenses, Irahi Batista Abreu e Francisco A. Penhabel, foram vencedores daquela competição cultural, cujo juri esteve assim formado: Paschoal Carlos Magno, Dinah Silveira de Queiroz e Rachel de Queiroz. O resultado final foi divulgado no dia 24 de dezembro de 1950.

* Informações subtraídas de material impresso encomendado pela prefeitura municipal, em 1.993, com texto assinado pelo jornalista e historiador  Luciano Dias Pires. Fotos com assinatura dos autores nas mesmas e outras da internet, sem que saiba quanto aos autores (busca-se saber).

Leia também:

BAURU, DA BOCA DO SERTÃO A 1.940

BAURU DE 1.940 A 1.950 

Seguimos em frente no propósito de chegarmos ao ano 2.000 (aguarde).

(*) Por Renato Cardoso, que é jornalista, publicitário e bacharel em direito.

botao-voltar

Envie um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.