A importância das estradas de ferro na urbanização de Bauru

Bauru será formada a partir de um patrimônio religioso doado em 1884, sendo que o povoado torna-se cidade em 1896.
Artigo com base em trabalho acadêmico assinado pelo Prof. Dr. Nilson Ghirardello da
FAAC-UNESP, com o título “A IMPORTÂNCIA DA E.F.N.O.B. NA URBANIZAÇÃO DE BAURU”, cujos objetivos são:

Mostrar o início da formação urbana de Bauru, cidade do centro oeste paulista (Brasil). -Entender as transformações ocorridas no traçado urbano, ocasionadas pela vinda das ferrovias para a cidade: Estrada de Ferro Sorocabana, Estrada de Ferro Paulista, Estrada de Ferro Noroeste do Brasil – EFNOB.
-Mostrar o relevo da vinda das ferrovias para a expansão urbana e de que maneira a sua implantação determinou a maneira como Bauru se definiu fisicamente.
– Segurança dada pelas mesmas para a inversão dos capitais privados no solo urbano: novas edificações, loteamentos, implantação da infraestrutura urbana

O texto subtraído de publicação da universidade na íntegra e S.I.C.:

O arruador define o traçado inicial como uma imensa toalha xadrez colocada sobre uma encosta.
As quadras estabelecidas de maneira regular medindo 88×88 metros divididos em 8 datas com dimensões de 22, 00m x 44, 00m, totalizando 968m2 por lote.
As ruas leste-oeste mediam todas, por volta de 14 metros de largura, as no sentido norte-sul, mais largas, têm dimensões variáveis entre 16 a 20 metros.
Primeiras construções foram edificadas junto à estrada que ligava os sertões a Fortaleza e Lençóis, depois chamada rua Araújo Leite.

IMPLANTAÇÃO DAS FERROVIAS EM BAURU: -SOROCABANA: marca sua estação em agosto de 1904 e inaugura a linha em 1905.
-Fará sua entrada pelo sul da cidade, paralela ao córrego Água da Ressaca, e depois ao Ribeirão Bauru, aproveitando as áreas planas das baixadas de forma a evitar rampas que onerariam seu custo de construção.
-As ferrovias tendo assegurado por lei o direito de desapropriação, passavam por onde melhor lhe convém, sem se importar necessariamente com as pequenas vilas ou cidades, e
estas devido à importância da ferrovia acatavam de forma incondicional o trajeto proposto.

IMPLANTAÇÃO DAS FERROVIAS EM BAURU – N.O.B.:
Estrada de Ferro Noroeste do Brasil nasce na cidade em direção à noroeste paulista e estado do Mato Grosso; forte sentido econômico e estratégico para o país;
-Em 1905 iniciam-se as obras. Em 1906 inauguram-se os primeiros 100 quilômetros a partir de Bauru.
-Implantação mereceu acurados estudos, pois se tratava do ponto
inicial da ferrovia.
-Área ao lado da estação da Sorocabana para facilitar a baldeação e de maneira a aproveitar a topografia plana.
-Os trilhos, correndo em paralelo ao córrego da Grama reforçarão a separação dos diversos bairros futuramente criados, dificultando até nossos dias a “costura” de várias frações urbanas.

A Companhia Paulista de Estrada de Ferro

A Companhia Paulista de Estrada de Ferro aporta em Bauru em fevereiro de 1910, tendo como ponto de chegada o início da atual rua Agenor Meira, nas proximidades da Noroeste e Sorocabana. A fim de buscar esta cota, os trilhos vindos da direção leste cortam as principais ruas à época.
-Reforça-se uma barreira que vai completar a segregação já existente pela topografia de fundo de vale, em direção aos setores oeste e norte da cidade.

¨A chegada dos trilhos é quase sempre um marco na historia de uma cidade. Com a estrada de ferro vem todo o aparelhamento que ela exige, especialmente quando a cidade, por alguma razão, é escolhida para sede de qualquer atividade especial da estrada: armazém, oficinas, escritórios, ponto de cruzamento de trens ou local de baldeação¨.
(MATOS, 1990, p. 197)

Mais que a implantação da companhia, e os rendimentos diretos gerados por ela, deve-se considerar os reflexos indiretos na economia urbana, bem como, a confiança nos destinos locais provocados por esse verdadeiro ¨lastro¨ do desenvolvimento citadino.

-Nó ferroviário favorecendo comércio e a prestação de serviços;
-Cidade se torna um importante entroncamento ferroviário;
-O encontro de várias ferrovias colocava a cidade em contato direto com diversas regiões do Estado, privilégio apenas comparado a capital São Paulo.
-Portal da nova região servida pela EFNOB denominada de “zona noroeste paulista” que ia até o Rio Paraná.
-Sede da única companhia a transportar imensas quantidades de café produzidas na “zona noroeste ”, deslocadas até Bauru e daí transportadas pela Sorocabana ou Paulista.

A “NOVA CIDADE” PÓS-FERROVIAS – MUDANÇAS NO URBANO:
-Abertura da Avenida Sorocabana em frente a estação do mesmo nome;
-Abertura da Avenida Alfredo Maia tendo como eixo o acesso da Estação Sorocabana e EFNOB;
-Criação da Praça Machado de Melo em frente a estação da EFNOB;
-Alteração do eixo do crescimento comercial direcionado em direção e ao redor das estações ferroviárias.
-Criação de novos bairros além do perímetro inicial da cidade.

A “NOVA CIDADE” PÓS-FERROVIAS
MUDANÇAS NA INFRAESTRUTURA:
-Instalação da rede de telefonia em 1907;
-Instalação da energia elétrica em 1911;
-Instalação da rede de água e esgoto em 1912.
-Participação direta dos engenheiros da EFNOB nos projetos de infraestrutura urbana da cidade.

* Obs.: você pode conferir o conteúdo acima no original, em formato PDF, clicando aqui. Não deixe de assistir ao vídeo abaixo, produzido por Tuba e Léa Ferreira.