A Escalada em Bauru aconteceu há 50 anos

Um movimento religioso ocorreu em Bauru no final das décadas de 1.960 e os seguintes de 1.970 e início de 1.980, que foi significativo e um dos mais importantes, não só pelo aspecto religioso, ligado à igreja católica, como também pela formação de jovens de todos os bairros de Bauru.

Foto de arquivo de uma edição com os participantes em conjunto

O movimento teve a iniciativa de várias personalidades de Bauru, dentre as quais e num primeiro momento, do Sr. Francisco Canêdo, indo em apoio, a seguir, Dr. Adolpho Miraglia, Dr. Luiz Edmundo Coube e muitos outros, com estreita participação do Bispado de Bauru, a partir do próprio Bispo Don Cãndido Padin, vários padres de Bauru e região, e freis de Agudos, ligados ao santuário da vizinha cidade.

O movimento tomou dimensões acima do projetado e em pouco tempo já eram mais de mil, os jovens participantes.

Houve certa preocupação com relação ao movimento, de cunho rigorosamente religioso, mas que ocorreu em tempos negros do regime militar, daí algumas infiltrações de pessoas ligadas ao regime da época, deixando a entender que havia um contraponto entre a própria igreja católica e o regime detentor do poder naqueles anos de chumbo.

Os jovens eram mais focados no aspecto religioso do movimento, que se fortificava por participação de todos os membros em todas as paróquias da diocese, aí incluindo algumas da região, ligadas ao Bispado de Bauru. Os jovens tinham participação assídua às missas, deixando-as mais emocionantes e com facilidade de elo ao Pai, tanto pelos cantos dos perfeitos corais que se distribuíam por toda Bauru e região, como pelos depoimento dos próprios jovens e sua participação do ritual eclesiástico. Do movimento surgiram muitos religiosos que optaram pelo sacerdócio e maioria segue com a fé religiosa até os dias de hoje.

O movimento era um rigor de organização, envolvendo dirigentes, palestrantes, participantes dos setores de apoio e absoluta retaguarda dos familiares dos jovens que se somavam aos demais, que definitivamente saiam dos três dias enclausurados e convivendo com mensagens cristãs, além de algumas de reprimenda a comportamentos que não iam em acordo com os princípios defendidos à época.

Jovens atuantes na igreja católica em 1.970 – foto do grupo do Facebook
A Escalada praticamente acompanhou a organização e estrutura do Cursilho de Cristandade, direcionado a público adulto com elo à igreja católica.

Foi um período significativo junto aos jovens daqueles anos, em faixa etária dos dezoito aos vinte e cinco anos.

Muito se tem a dizer sobre a Escalada e carecemos de informações, que podem ser postadas no espaço dedicado aos comentários.

A foto em destaque em tamanho original (acima) e em preto e branco, facilita identificação dos que participaram daquele movimento.

A realização do primeiro encontro de jovens, promovido pela Diocese da cidade, nasceu a partir da iniciativa de um grupo de padres, adultos e jovens. Em sua primeira edição, reuniu cerca de 70 participantes, entre cursilhistas, padres e dirigentes.

O movimento era realizado em três dias e visava despertar os jovens, chamados de “alpinistas”, para o cristianismo, por meio de palestras. Esse trabalho deu início na Diocese de Bauru da Pastoral da Juventude.

Houve uma mudança no movimento em 1975, quando os organizadores, ao perceberem que o jovem de 1969 era diferente do da época de início, modificaram as características na estrutura que, de “despertar” o jovem para o cristianismo, passou a ser de “conscientização” – destinado a jovens que já freqüentavam uma comunidade paroquial.

O movimento foi desativado em 1980 e a respeito assim falou Odair Machado, um dos coordenadores do extinto movimento, em entrevista ao Jornal da Cidade: “Foi um movimento muito importante. Hoje, percebemos que a participação do jovem na igreja é um pouco tímida, daí a importância de resgatar os valores da iniciativa que começou esse trabalho com os jovens em Bauru”. Hoje, os encontros seguem com a realização da Pastoral Diocesana da Juventude (Paju).

“Passaram pelos cursos do “Movimento Escalada” milhares de jovens que se beneficiaram dos ensinamentos transmitidos com muito amor e entusiasmo por adultos e jovens que se uniram e que mantiveram durante 11 anos acesa a chama de um movimento de igreja que levou muito sério a sua ‘opção pelos jovens’”, finaliza Machado.

Ver mais pelo Vivendo Bauru.

Envie um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.